Os bebés fazem yoga ou são yoga?

O petiz cá de casa, faz yoga desde a barriga… caso tenhas lido o meu primeiro artigo eu já falei sobre este assunto (podes espreitar aqui)!

No entanto, de há algumas semanas para cá, tem-se aprimorado numa determinada postura e, neste momento, posso assegurar-te que a sua postura favorita é a do “cão” – (Adhomuka).

Ler mais “Os bebés fazem yoga ou são yoga?”

Como lidar com a hiperatividade numa aula de yoga

Playoga em Família é uma prática que me cativa desde que sou professora da Escola Babyoga Portugal.

Hoje em dia, vivemos num mundo de stress, num mundo de algumas (muitas) aparências, num mundo de filhos “troféus”, num mundo de pais sem tempo, de famílias algo adormecidas com muitos horários para cumprir e poucos tempos para viver em pleno.

Ler mais “Como lidar com a hiperatividade numa aula de yoga”

A cicatriz da Vida

Tenho 24 anos de diferença do meu irmão mais novo.

Foi um bebé muito desejado e na altura já “inesperado”.

Lembro-me perfeitamente daquela noite em que a minha mãe o pegava ao colo e com grande desespero fazia tudo o que podia para o acalmar. O seu choro era aflitivo, ardia em febre e o seu corpo pequenino estava muito vermelho e cheio de pintas pretas.

Ler mais “A cicatriz da Vida”

Fazer Yoga é uma seca!

Era o primeiro Sábado de Outono e, no Palácio Pimenta, Campo Grande, estava a decorrer o Mercado Get Zen.

Aconteceram duas aulas, a céu aberto, num jardim lisboeta e numa linda manhã de sábado. A primeira aula foi de Babyoga e acabou por ser uma aula privada à linda Flor que apareceu com a sua mãe. Uma Flor de sorriso doce, com gestos e olhar tímidos, em que só sussurrava palavras baixinhas.

Ler mais “Fazer Yoga é uma seca!”

Respira, mãe…

Quando nasce um bebé, nasce também uma mãe (e um pai, claro). Por mais que pensemos que estamos preparadas para a grande mudança – porque durante a gravidez “devorámos” quase todos os livros disponíveis no mercado sobre o assunto, fizemos o curso de preparação para o nascimento, pesquisámos na Internet, falámos com as melhores amigas, mães, tias, avós, etc. – ficamos muitas vezes “apanhadas” de surpresa porque nem tudo corre como imaginávamos. Ler mais “Respira, mãe…”