Babyoga nas férias

Férias… tempo de viajar para a praia, ou viajar para estar e passar mais tempo junto da família que mora mais longe e que aguarda ansiosamente por passar mais tempo junto dos benjamins da família. A prática de Babyoga pode e deve ser realizado nestas alturas alargando também a sua prática a toda a família.

Podes proporcionar à tua família momentos de diversão com a prática de Babyoga através de simples dicas que te proponho de seguida.

Em primeiro lugar, observa o teu bebé. Sugiro a introdução de uma pequena compilação de música que seja composta por vários ritmos e sonoridades. Atreve-te apenas a imitar o(s) teu(s) mais querido(s) rebento(s). Ele(s) certamente farão posturas de yoga o tempo todo e, por mais que não as consigas identificar, acredito que irás sair com uma consciência corporal bem mais acentuada desta atividade.

Um local de realização da prática do Babyoga nas férias? A praia poderá ser um lugar de eleição, até porque mesmo sem música poderá acontecer yoga com o maravilhoso som das ondas do mar de fundo.

No entanto, todos os lugares são válidos, desde um quintal dos avós, ao campo onde se faz campismo, à floresta onde se percorre trilhos, na sala de estar onde se encontram novas formas de acomodar todas as pessoas da família, no quarto onde poderão estar colchões pelo chão para os primos que se juntam nestas alturas dormirem à noite, no jardim, no parque infantil, e entre tantos outros locais. Não existe limite de localização desde que seja salvaguardada a segurança e bem-estar de todos.

Dicas e precauções

Na verdade, na prática de Babyoga existem vários níveis, subdivididos segundo a idade dos bebés e do seu desenvolvimento motor:

Babyoga 1: dos 2 meses aos 8 meses (dois meses até sentar – gatinhar)

Babyoga 2: dos 9 meses aos 22 meses (gatinhar até ficar de pé)

Babyoga 3: dos 23 meses aos 4 anos (marcha adquirida)

Tendo em consideração esta dinâmica, é aconselhável que a prática de Babyoga com os bebés mais pequeninos (nível 1) seja feita de um para um, por exemplo: mãe e bebé ou pai e bebé.

Neste caso,  é importante que pratiquem consoante a disponibilidade do bebé, em que uma pessoa por dia poderá usufruir de momentos de vinculação maior com o bebé, respeitando sempre as vontades dele no que concerne às suas necessidades básicas e necessidades de descanso, etc.

Todos podem usufruir destes momentos e acredita que até as avós querem entrar, pois estes são momentos de diversão para toda a família, em que  o bebé será o professor de yoga.

Uma dica muito muito importante: observar o teu bebé. Vê qual é o maior interesse que ele demonstra. Segue o teu bebé e verás que rapidamente estarás a fazer yoga.

 

A grande “regra” é que cada pessoa oiça o seu o corpo e os seus limites posturais que, com a prática, se vão desvanecendo. E isto aplica-se essencialmente aos adultos pois os mais pequenos trazem isso bem presente dentro de si.

 

Aproveita bem as férias e liberta o stress e os (pré)conceitos do: “Ahhh isso do yoga já não é para mim!”. Permite-te aprender com os ‘petizes’. Eles são yoga e eles sabem o que fazem!

Bom yoga e boas férias!

Grata a ti que me lês!

Fátima Mendes

 

Professora Babyoga e Playoga da Escola Babyoga Portugal

“Desde cedo descobri que a criança que vive em mim tem que ser alimentada de alegria música dança movimento e tudo o que isso implica. Trabalhar no mundo Babyoga faz-me sentir que estou no caminho e faz-me sentir viva.

Estou aqui para cuidar de ti e de todas as crianças que cruzam o meu caminho, incluindo aquelas que se escondem dentro dos adultos. Mulher, mãe, sou agora ainda mais eu, com muito mais para entregar nesta atividade que preenche verdadeiramente o corpo, a mente, o coração e a alma.

Estou aqui para cuidar de ti. Bem haja.”

Acede ao perfil da professora AQUI!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


Voltar atrás